Leite Materno X Fórmula infantil X Leite de Vaca

Você sabe qual o melhor alimento DO MUNDO para o seu filho/a? Leite materno. Isso mesmo. Até os 6 meses de vida, o bebê deve tomar APENAS LEITE. Nada de água, chazinho, suquinho. LEITE MATERNO.

A Organização Mundial da Saúde recomenda o aleitamento materno até os 2 anos de vida! E muito embora essa seja uma recomendação importante para a saúde dos pequenos, nossa sociedade muitas vezes condena o aleitamento para crianças maiores de 1 ano. Lembro-me bem de alguns olhares tortos quando ainda amamentava meu bebe com quase 1 ano…

Enfim, vamos enfatizar então os motivos para fazer sim, QUESTÃO de amamentar nossos filhotes com o leite materno:

– Supre as necessidades de proteínas, açúcar, gordura, vitaminas e água que o bebê necessita para ser saudável.

– Tem anticorpos e glóbulos brancos que os leites artificiais NÃO TEM. O leite materno protege o bebê de algumas doenças e infecções: otites, alergias, vômitos, diarréia, pneumonias, bronquiolites e meningites!

– Por conter ácidos graxos essenciais, melhora o desenvolvimento mental do bebê.

– É de mais facil digestão.

– Promove o estabelecimento de um vinculo afetivo – facilita o desenvolvimento da criança e o seu relacionamento com outras pessoas.

– Melhora a formação da boca e o alinhamento dos dentes.

– A amamentação é mais econômica para a família!!

FÓRMULAS INFANTIS

Quando não se é possível amamentar, existem hoje no mercado muitas opções de formulas infantis que suprem as necessidades do bebê. Infelizmente, há um número crescente e desnecessário de crianças alimentadas com fórmulas infantis. Parece que estamos esquecendo da nossa capacidade primitiva de alimentar a cria. Penso as vezes se estamos involuindo nesta questão, pois ouço tantos relatos de “incapacidade”de amamentar… Uma questão um tanto mais psicológica do que fisiológica! Bom, não vou discorrer sobre o assunto para não criar polêmicas…

Enfim, algumas características sobre AS FORMULAS INFANTIS:

– Gordura: mistura de óleos vegetais.
– Carboidratos: as fórmulas contêm lactose exclusiva ou associação de lactose com polímeros de glicose (maltodextrina).
– Proteínas: contêm caseína e proteínas do soro do leite de vaca. A presença da caseína e proteínas do leite de vaca  pode favorecer a alergia em algumas crianças. Por isso, algumas fórmulas possuem redução protéica e melhor perfil de aminoácidos (menos alergênicos).
– Minerais: são adicionados, tentando-se aproximar os seus teores dos do leite materno. A relação cálcio-fósforo é adequada.

– Vitaminas e microminerais: atendem às necessidades da criança sadia.

– Nucleotídeos: papel fundamental na estrutura do DNA e RNA e também são
essenciais para o metabolismo celular;
– Prebióticos: são adicionados. Os prebióticos estimulam o crescimento e/ou atividade de um grupo de bactérias no cólon que traz benefícios à saúde do indivíduo. Os principais são frutooligossacarídeos (FOS) e galactooligossacarídeos (GOS);
– Probióticos: são adicionados à fórmula. São microorganismos vivos  que alteram a composição da microbiota produzindo efeitos benéficos à saúde quando consumidos em quantidades adequadas;
– Acidos graxos essenciais adicionados: DHA e ARA  que participam
de forma importante na estrutura da membrana celular da retina e da mielinizaçãodo sistema nervoso.

LEITE DE VACA
O leite de vaca (in natura, integral, em pó ou fluido) não é considerado alimento apropriado para crianças menores de 1 ano.
Por quê não é adequado?
• Gorduras: contém baixos teores de ácidos graxos essenciais, como o ácido linoleico (dez vezes inferior às fórmulas), sendo necessário o acréscimo de óleo vegetal para atendimento das necessidades do recém-nascido.
• Carboidratos: sua quantidade é insuficiente quando o leite é diluído a 2/3,
sendo necessário o acréscimo de outros açúcares frequentemente mais danosos à saúde, como a sacarose, com elevado poder cariogênico.
• Proteínas: fornece altas taxas, com consequente elevação da carga renal de
soluto e risco de desenvolvimento de obesidade no futuro. Apresenta relação
caseína-proteínas do soro inadequada, comprometendo a digestibilidade.
• Minerais e eletrólitos: fornece altas taxas de sódio, contribuindo para a elevação da carga renal de soluto, deletéria principalmente para os recém-nascidos de baixo peso.
• Vitaminas: baixos níveis de vitaminas D, E e C.
• Oligoelementos: são fornecidas quantidades insuficientes, com baixa biodisponibilidade de todos os oligoelementos, salientando-se o ferro e o zinco.

Abaixo  copiei um quadro do Manual de Orientação – Departamento de Nutrição da Sociedade Brasileira de Pediatria, 2012,  que resume as diferenças de cada leite.

 

LEITE HUMANO LEITE DE VACA INTEGRAL

FÓRMULAS INFANTIS

PROTEÍNA

Quantidade adequada, fácil de digerir Quantidade aumentada, difícil de digerir devido a relação caseína/proteínas do soro Melhor relação de proteínas do soro/caseína. Algumas formulas possuem redução protéica e melhor perfil de aminoácidos

LIPÍDIOS

Suficiente em ácidos graxos essenciais, lipase para digestão Deficiente em ácidos graxos essenciais, não apresenta lipase Adicionado ácidos graxos essenciais (DHA e ARA), diminuição da gordura saturada e acréscimo de óleos vegetais

MINERAIS

Quantidade correta Excesso de cálcio e fósforo, sódio, cloro e potássio. Modificação nos teores dos minerais. Relação cálcio/fósforo adequada, favorecendo a mineralização óssea.

FERRO E ZINCO

Pouca quantidade, bem absorvido Pouca quantidade, mal absorvido Adicionado

VITAMINAS

Quantidade suficiente Deficiente D, E e C Vitaminas adicionadas

PREBIÓTICOS

Quantidade suficiente Deficiente Adicionado (FOS, GOS)

PROBIÓTICOS

Quantidade suficiente Deficiente Adicionado

ÁGUA

Suficiente Necessário extra Pode ser necessária

Amamentar é um processo muitas vezes dolorido no começo e a insegurança materna podem ser fatores do desmame precoce. Mas antes de tomar a decisão de oferecer a fórmula infantil, procure os bancos de leite para sanar as dúvidas referentes à amamentação. Está provado que o psicológico da mãe interfere na produção do leite!! Nosso corpo é programado geneticamente para alimentar os filhos…

Felizmente consegui amamentar meus dois filhos até 1 ano. Os benefícios para eles e para mim (consegui emagrecer 25kg depois do primeiro filho) são indiscutíveis!!!

Se ainda estiver com dúvidas, procure um nutricionista! Mudança de hábitos alimentares da mãe também favorecem a produção de leite!!

Autora: nutricionista Karen Dykstra Carmona

Referencia:

Manual de Orientação – Departamento de nutrologia. Disponível em: http://www.sbp.com.br/pdfs/14617a-PDManualNutrologia-Alimentacao.pdf . Acesso em: 27 de fevereiro de 2015

– www.comoamamentar.com.br

Cookies de Abóbora com Coco

Hoje meus filhos vão levar Cookies de Abóbora com Coco para a escola. Aeeeeee!!  Testei essa receita que adaptei do livro “Socorro! Meu filho come mal” hoje, e super aprovamos!! Por isso, vou compartilhar essa receita nutritiva e super fácil de fazer!

cookie de abobora

COOKIE DE ABÓBORA COM CÔCO

INGREDIENTES:

1 xícara de chá de farinha de trigo branca

1/2 xícara de chá de farinha de trigo integral

1 xícara de chá de abóbora cozida e amassada

1 xícara de chá de açúcar

150g de manteiga

1 ovo inteiro

2 colheres de sopa de côco ralado

1 pitada de bicarbonato de sódio

MODO DE PREPARO

Bater o açúcar e a manteiga na batedeira até obter um creme. Juntar o ovo e a abóbora e misturar bem. Acrescentar as farinhas peneiradas, o coco ralado e o bicarbonato de sódio. Colocar a massa num saco de confeiteiro e distribuir na fôrma. Assar em forno pré-aquecido a 180 graus por 15 minutos.

OBS: na falta de saco de confeiteiro, porcionei a massa com 2 colheres de chá.

Fica muito gostoso!!!

Autora: Karen Dykstra Carmona

Lavagem das mãos

Recentemente assisti uma palestra gravada em setembro de 2014 no site TED TALKS e me impressionei com alguns números…. Se quiser assistir a palestra, clique aqui!

Vocês sabiam que em média, 15.000 crianças de 0 a 5 anos morrem por dia no mundo? E sabe quais as principais causas? DIARRÉIA E PNEUMONIA. E a solução, segundo a palestrante Miriam Sibide: UMA BARRA DE SABÃO!

“Lavar as mãos com sabão, um hábito tão comum, pode reduzir a diarréia à metade, pode reduzir as infecções respiratórias em um terço. Lavar as mãos com sabão pode ter um impacto na redução da gripe, do tracoma, da pneumonia atípica, e mais recentemente, no caso da cólera e no surto do ebola, uma das intervenções principais é a lavagem de mãos com sabão”. (Miriam Sibide).

Penso que concordam  que essa é uma intervenção de saúde pública muito útil??

Mas e por quê estou abordando esse assunto num site de alimentação?

Bom, numa parte do vídeo, achei interessante um dado que a Miriam passou e que todos os dias me faz lembrar disso, rs.

“As estatísticas mostram que 4 em cada 5 pessoas não lavam as mãos ao saírem do banheiro, em todo o mundo. E do mesmo modo, não o fazemos mesmo tendo banheiros sofisticados, com água corrente e sabão à disposição. O mesmo ocorre em países em que a mortalidade infantil é elevada”. (Miriam Sibide).

Assustador hein? 4 em cada 5 pessoas? Agora pense nessa estatística e nos funcionários que preparam as refeições de um restaurante? Ou até naquela figura querida que vai para a cozinha todos os dias na nossa casa fazer uma comidinha gostosa? Será que lavam as mãos COM SABÃO?

Hábitos que aprendemos desde cedo são muito difíceis de serem mudados. É primordial ensinar as crianças a importância da lavagem de mãos e quais os momentos cruciais de fazê-lo. Além das crianças, os adultos também precisam ser mais disciplinados e lavar as mãos com sabão com mais freqüência.

Nos restaurantes, o nutricionista tem papel fundamental no treinamento de funcionários, especialmente referente a higiene pessoal, do seu local de trabalho e a manipulação higiênica dos alimentos.

E você, lava as mãos corretamente?

Para lavagem correta das mãos siga os seguintes passos:

  1. Utilize a água corrente para molhar as mãos;
  2. Esfregue a palma e o dorso das mãos com sabonete, inclusive as unhas e os espaços entre os dedos, por aproximadamente 15 segundos.
  3. Enxágüe bem com água corrente retirando todo o sabonete
  4. Seque-as com papel toalha ou outro sistema de secagem eficiente
  5. Esfregue as mãos com um pouco de produto anti-séptico (álcool 70%).

Partiu lavar as mãos corretamente a partir de agora?

Autora: Karen Dykstra Carmona

OBSERVAÇÃO: Damos cursos de Boas Práticas na Manipulação de Alimentos para restaurantes e interessados. Entre em contato conosco! [email protected] e [email protected]