Sal….Hoje, o grande VILÃO!!

sal

O consumo excessivo de sal é uma das principais causas da alta prevalência de doenças crônicas não transmissíveis no mundo, e seus riscos vão muito além da elevação da pressão arterial….. O Brasil está classificado entre os maiores consumidores mundiais de sal, com média de ingestão de 15,09g diários, sendo que o recomendado pela OMS é de 5g/dia.

A importância desse mineral (NaCl) na nossa alimentação está associada às funções vitais do organismo humano, como a regulação do volume plasmático, a condução dos impulsos nervosos e a contração muscular.

Para entender melhor, o sal de cozinha tem na sua composição os elementos sódio (Na) e cloro (Cl), o que resulta em cloreto de sódio (NaCl). Nessa combinação de elementos se encontra o sabor salgado, 1g de sal contém 400mg de sódio.

Recomendação diária pela OMS (Organização Mundial de Saúde)
Recomendação de sal (NaCl ou sal de cozinha): 5g/dia.
Recomendação de sódio (Na): 1,6 g/dia

Importante: No rótulo dos alimentos é descrita a quantidade de sódio e não de sal.

PARA PENSAR:

  • 01 pacotinho de sopa instantânea tem – 580 mg/sódio
  • 01 hambúrguer bovino – 567 mg/sódio
  • 01 macarrão instantâneo sem tempero – 1198 mg/sódio

Somente estes 3 itens que mencionei, já ultrapassa quantidade de sódio recomendado em 24 horas!!! Sem contar que os alimentos de origem vegetal e de origem animal já tem sódio em sua composição.

Conheça as diferentes versões do condimento:

Sal de cozinha – É o mais usado no preparo de alimentos. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve conter iodo para prevenir o bócio, crescimento anormal da glândula tireoide. Possui 40% de sódio e 60% de cloro. Porém, é importante não errar na mão na hora de temperar os alimentos. Pelo alto teor de sódio em sua composição, pode contribuir para o aumento da pressão arterial caso seja consumido em demasia. O ideal é consumir, no máximo, 2g por dia.

Sal Light – É um produto com teor de sódio reduzido, indicado para hipertensos. Possui 30% de sódio e 70% de cloro. Cuidado: como seu sabor é mais suave, deve-se ficar atento para não salgar muito a comida e anular o benefício de possuir menos sódio. Por conta da alta taxa de cloro, também dá sensação de ardido. É o mais recomendado pelos especialistas.

Sal Marinho – Bastante usado na alimentação funcional, pode ser moído na hora e misturado com ervas frescas. Como não passa pelo sistema de branqueamento, como o sal de cozinha, ele permanece com aproximadamente 84 elementos, dentre eles iodo, enxofre, bromo, magnésio e cálcio, componentes importantes para o metabolismo e, também, para ativar a glândula da tireoide. Depois do sal light, é o tipo mais indicado pelos especialistas, pois é rico em minerais.

Sal Grosso – Produto não refinado, apresentado na forma que sai da salina. Em culinária, é usado em churrascos, assados de forno e peixes curtidos. Possui 40% de sódio e 60% de cloro. Por ser em forma granulada, geralmente é consumido com mais cautela do que o sal refinado, já que pouca quantidade tempera consideravelmente. Deve ser consumido com parcimônia, pois o consumo exagerado pode levar à hipertensão.

Rosa do Himalaia – Está localizado aos pés do Himalaia, considerado o mais antigo e puro dos sais marinhos. Tem quase metade de sódio encontrado no sal comum e é muito rico em minerais (são mais de 80), tais como cálcio, magnésio, potássio, cobre e ferro. Em 1g de sal Rosa do Himalaia há 230mg de sódio.

Flor de sal – São os pequenos cristais retirados na camada mais superficial das salinas. Translúcidos, os grãos são conhecidos por conferir uma textura crocante às preparações. Essa variedade contém muito sódio, mas também carrega magnésio, iodo e potássio. Há vários tipos de flor de sal, sendo que o mais famoso é o da região de Guèrande, localizada no norte da França. Para não perder sua capacidade de deixar os pratos crocantes, recomenda-se que seja adicionado após o preparo das receitas – ele combina perfeitamente com saladas. Em 1g de Flor de Sal há 450mg de sódio.

Produtos processados campeões de sódio:

Macarrão instantâneo com tempero – 2721 mg de sódio em 85 g
Macarrão instantâneo sem tempero – 1198 mg de sódio em 80g
Frango empanado – 759 mg de sódio em 130 g
Hambúrguer bovino – 567 mg de sódio em 80g
Salsicha – 551 mg de sódio em 50g
Hambúrguer de frango – 525 mg de sódio em 80 g
Biscoito de polvilho – 270 mg de sódio em 30g
Biscoito cream cracker – 230 mg de sódio em 30g
Salgadinho de milho – 176,9 mg de sódio em 25g
Requeijão – 165 mg de sódio em 30

O Ministério da Saúde estabeleceu um acordo com a indústria alimentícia, em 13 de dezembro de 2011, que preconiza a redução de sódio em alguns alimentos. Foram selecionados os mais consumidos pelo público infanto-juvenil, que incluem: batatas fritas e batata palha, pão francês, bolos prontos, misturas para bolos, salgadinhos de milho, maionese e biscoitos (doces ou salgados).

Fica a dica:

Prefira reduzir a adição de sal aos alimentos. Evite o consumo de alimentos embutidos como: salames, frios, queijos envelhecidos, bacon, bacalhau, nuggets, salsichas, margarinas com sal, temperos industrializados como: caldos concentrados, realçadores de sabor como: agi-no-moto, amaciantes de carne, molhos para salada, molho inglês, shoyo, sal de alho, azeitonas, picles, mostarda, ketchup, etc….. substitua-os por temperos naturais, como alho, alecrim, cominho, pimentas, tomilho, manjerona, orégano e manjericão é uma deliciosa e saudável solução!!! Que tal fazer a sua horta caseira????

horta

Autora: Iolande Aardoom

CASTRO, R. C B. Ministério da Saúde estabelece novo acordo com a indústria para reduzir o teor de sódio em alimentos. Revista Nutritotal. 08/11/2013. Disponível em: http://www.nutritotal.com.br/notas_noticias/?acao=bu&id=626

OMS. Consumo de sal. Disponível em: http://nutricao.saude.gov.br/sodio.php