Salada de maçã verde com escarola e amêndoas

Para quem ficou com vontade de comer a salada da foto publicada no post da ESCAROLA, segue a receita da Fabiana Badra, foodstylist do site www.receitas.ig.com.br

salada de escarola

Enjoy!!

INGREDIENTES

  • 2 colheres (sopa) de vinagre de maçã
  • 1 colher (sopa) de cebolinha picada
  • 2 colheres (sopa) de mostarda
  • 5 colheres (sopa) de azeite extravirgem
  • ½ xícara (chá) de queijo tipo gorgonzola esmigalhado
  • 1½ xícara (chá) de maçã verde picada com casca
  • 1½ xícara (chá) de salsão picado
  • 2 miolos de escarola cortados em fatias largas
  • ½ xícara (chá) de amêndoas ou castanhas do Brasil torradas
  • Sal e pimenta-do-reino moída na hora, a gosto

MODO DE PREPARO

Em uma tigela pequena, misture o vinagre, a cebolinha, a mostarda e o azeite. Junte 2 colheres (sopa) do queijo gorgonzola e misture bem. Em outra tigela, misture a maçã e o salsão e junte 2 colheres do molho. Na hora de servir a salada, coloque a escarola em uma saladeira ou pratos individuais, adicione a maçã e o salsão e espalhe as amêndoas. Sirva com colheradas do molho e com o queijo restante.

Escarola!!

A escarola que conhecemos é também chamada de chicória. Pode ser lisa ou crespa.

Atualizados recentemente23

Tem gosto amargo típico, especialmente nas folhas externas (mais verdes). Se você é daquelas pessoas que prefere o miolo por ter sabor mais suave, saiba que as folhas mais verdes são as que contem mais nutrientes, não despreze-as!

A escarola pode ser consumida crua, cozida ou refogada e pode substituir o espinafre em muitas receitas!!! As formas mais populares de consumo: recheio de pizza e salgados ou refogado com alho e/ou bacon. É importante lembrar que a versão crua é sempre mais indicada para o consumo pois preserva mais os nutrientes e não tem tantas calorias agregadas. O ácido fólico por exemplo, se perde quando a escarola é aquecida.

salada de escarola

Além de se destacar nutricionalmente pelo seu teor de cálcio (de boa absorção), ácido fólico e vitamina E (antioxidante), a escarola possui um tipo de fibra muito especial: a inulina.

Pausa para aprender sobre a inulina:

A inulina é um tipo de carboidrato que pode ser encontrado em mais de 30.000 vegetais. Esse carboidrato (frutooligossacarídeo) você não consegue digerir ou seja, é pouco calórica (uhuulll), mas é seletivamente utilizado pelas bifidobactérias, ou seja, é um PREBIÓTICO. Hã? Bifidobactérias são um tipo de bactéria benéfica que você deve desejar no seu intestino, pois favorecem o sistema imunológico, equilibra a flora e também o movimento do trato intestinal. Pelo efeito benéfico no sistema digestivo, a inulina é considerada um alimento funcional!

CURIOSIDADE: A raiz da chicória é muito rica em inulina e é a fonte mais importante na produção industrial de inulina.

Inclua a escarola na sua alimentação e aproveite seus benefícios. Ah, o pico da safra da escarola é entre julho e setembro, mas também há safra em janeiro. Aproveitem!!!

AUTORA: Karen Dykstra Carmona

 

REFERENCIAS:

SLYWITCH, E. ESCAROLA. Disponível em: <http://www.alimentacaosemcarne.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=10:escarola&catid=47&Itemid=140>. Acesso dia 15 de junho de 2015.

 

OLIVEIRA, A. et all. OTIMIZAÇÃO DE EXTRAÇÃO DE INULINA DE RAÍZES DE CHICÓRIA. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, v.6, n.2, p.131-140, 2004. Disponível em: ftp://ftp.feq.ufu.br/Claudio/downloadsPE/Trab3PE.pdf. Acesso dia 15 de junho de 2015.

 

Escarola – Enciclopédia da Nutrição. Disponível em: https://www.nestle.com.br/Site/cozinha/enciclopedia/ingredientes/escarola.aspx. Acesso dia 15 de junho de 2015.

Gado orgânico X Gado Verde – você sabe a diferença?

Enquanto aguardava as crianças que faziam aula de natação presenciei uma discussão acalorada entre as mães sobre o gado orgânico e o tradicional. Na verdade, ninguém sabia dizer a diferença e até a esposa de um agropecuarista afirmou que “é tudo a mesma coisa, só inventando moda”…

Fiquei intrigada, pois eu também não sabia muito a respeito.

Foto by Annie Bosch
Foto by Annie Bosch

Não temos a oferta e nem a preferência pelo consumo de carne orgânica, embora o mercado internacional tenha mais intere$$e nesse tipo de produto. É um nicho de mercado que atualmente tem maior demanda do que a oferta. Tem um custo elevado em função da menor produtividade pela proibição de insumos modernos e/ou pelo maior custo para manter uma produção equivalente.

O que é então que difere o orgânico do convencional?

imagem do site CyberEsfera
imagem do site CyberEsfera

A carne de gado orgânico tem as mesmas características organolépticas (cor, cheiro, sabor, textura) da carne de gado criado tradicionalmente. O que há de diferente é a maneira em que o gado é criado: tem características peculiares em sua forma de produção, que requer cuidados ambientais e sociais dos pecuaristas e frigoríficos.

O gado pode somente ser tratado com remédios homeopáticos para o controle de doenças, sem pesticidas e as pastagens só podem ser tratadas com compostos orgânicos – nada de fertilizantes industriais e agrotóxicos. Hormônios e suplementos não são permitidos.

Segundo Luiz Antônio Josahkian (BARCELOS, G.), há também uma prepocupação com aspectos ambientais e sociais como: o tratamento dos resíduos produzidos no frigorífico, a utilização racional dos recursos hídricos e do solo, a preservação dos mananciais e a exploração do trabalho humano. Um exemplo de norma fora do estrito contexto da produção é a exigência de que todas as crianças da fazenda frequentem a escola.

Obviamente que para receber este selo, os produtores e a indústria são inspecionados para verificar o cumprimento das regras na produção orgânica da carne.

Ok, e o que seria então o GADO VERDE?

boi berde

O gado verde é aquele que é tratado somente com as pastagens da região, ou seja, não come ração, mas quando está próximo do abate, o gado recebe alimentação no cocho, à base de grãos ou silagem com caroço de cereais ou farelo de soja como fontes de proteína.

Segundo o pecuarista Carlos Augusto Ribeiro Franco, “essa alimentação dá ao boi a capa de gordura ideal, ajuda a conservar a carne, dando-lhe maciez”.

Achei no site do BEEFPOINT um quadro muito fácil para entender a diferença entre o Boi Orgânico e o Boi Verde

Untitled

E aí, deu para entender?

Rob-Smith

Autora: nutricionista Karen Dykstra Carmona

REFERENCIAS:

1- BARCELOS, G. Carne orgânica é debatida em Uberaba. Disponível em: http://www.revelacaoonline.uniube.br/2005/314/sociiiieeee.html . Acesso em: 04 de junho de 2015.

2 – http://www.beefpoint.com.br/novidades-agripoint/boi-organico-x-boi-verde-40367/ . Acesso dia 04 de junho de 2015.

3 – Boi verde é conceito da forma de criar gado. Disponível em: http://www.agrisustentavel.com/san/boi.htm. Acesso em: 04 de junho de 2015.

Menu Kids

Durante a semana, tenho o hábito de preparar o almoço para minhas crianças e para mim, e então chega o final de semana, e com ele, um merecido “descanso” da cozinha…

Damos a preferência por restaurantes com espaço kids, pois aí temos, o marido e eu, a oportunidade de comer com mais tranquilidade. E aí o restaurante tem espaço kids o/ , mas o Menu kids é aquele clássico: hamburguer com batata frita, ou massa com parmegiana, nuggets com arroz…

Imagem do site guiafolha
Imagem do site guiafolha

Vou para comer em paz, mas fico com a consciência pesada, já que as opções kids são pouco nutritivas. A única chance de oferecer um prato mais equilibrado é frequentar os restaurantes tipo buffet, mas lá se vai a oportunidade da mamãe comer algo diferente, a la carte, num ambiente mais acolhedor.

Fomos neste fim de semana a um restaurante fast food que tem menu kids, aquele de verdade (dificil de achar por aí), com arroz, feijão, carne, vegetais ou salada, batata frita ou purê de batata…

GiraPrato-principal

Legal, tem apelo visual e dividimos um prato para meus dois filhos e ainda sobrou!! “Ah, mas tem batata frita”. Tem, e não proíbo meus filhos de comerem batata frita, mas que não seja só isso no almoço. Que acompanhe alimentos com valor nutritivo, que tenha fibras e vitaminas… Não só fritura e carboidrato. Se em toda ocasião tivermos de abrir uma excessão (hoje é dia de festa, é sábado, é domingo, dia de visita)… não há educação alimentar saudável que resista.

Agora vou sonhar um pouco, rs,  com mais restaurantes também preocupados com a qualidade do que servem aos pequenos, uma vez que o valor cobrado para um prato kids é praticamente equivalente ao valor do prato adulto. Não sei exatamente qual é o calculo feito do per capita, para até que idade é esse prato kids. Fato é que sempre é uma porção muito grande para uma criança de 6 anos… A porção poderia ser menor e com um precinho mais bacana (agora devo estar mesmo delirando! rs).

Mas para valer o que pagamos, que tal se incluíssem uma porção de panachê de legumes?? As cores tornam o prato mais atraente e mais saudável!

Imagem do site : paneloterapia
Imagem do site : paneloterapia

Existem hoje muitos legumes congelados  que podem ser preparados na hora, em pequenas porções. Ou, em poucos minutos, pode-se preparar legumes frescos ao vapor.

As cenourinhas baby cruas ou cozidas para comer com a mão são uma boa opção

baby-carrots

Ou abobrinhas grelhadas em palito…

20-Delicious-Zucchini-Recipes-The-Happy-Housewife

O mix de ervilhas com milho verde – mas as versões congeladas, que não tem conservantes e sódio adicionado:

mix

 

Brocolis no vapor:

kid-broccoli

e mais fácil ainda, tomatinhos cereja…

Imagem do site eugourmet.wordpress.com
Imagem do site eugourmet.wordpress.com

Claro que não é necessária uma super mega produção no prato. O fato de ser colorido já é atrativo e aumenta a aceitação. Fica a dica para os restaurantes: invistam na consciência das mamães e na saúde dos pimpolhos! rs

Autora: nutricionista Karen Dykstra Carmona

Festa de criança!

Começa o ano escolar e também as festinhas de aniversário!! Fui a 2 mega eventos, em buffets infantis e me senti profundamente triste… A criançada não, estava lá, agitando horrores! Pobres monitores! rs Mas vou explicar a minha tristeza…

Procuro sempre oferecer uma dieta mais equilibrada para meus filhos e já aceitei que em festa de criança, a gente de “libera” “algumas” “porcarias”… Numa das festinhas, colocaram ao alcance das crianças M&Ms, marshmallows, balas de goma, nuggets, pasteizinhos, batata frita e refrigerantes. Nenhuma frutinha ou alguma proposta de alimento mais saudável. Ou seja, vai comer caloria vazia! Claro que no dia seguinte tinha criança com dor de barriga…

mesa de doces

Lembro dos aniversários de antigamente, onde a família que preparava os quitutes… Se tinha fritura? Inevitavelmente tinha, mas era tudo fresquinho e sem aditivos… Tinha empadão, torta salgada de legumes, bolinho de carne temperadinho com sal e cheiro verde, torradinha com patê de atum, sanduíches naturais, pepino em conserva com queijinho no palito, salada de fruta e também a famosa gelatina no copinho. Ah, refrigerante não tinha tão acessível como hoje, felizmente! Não tinha esses nuggets, cheios de aditivos e fingindo ser carne e somente opções salgadas fritas… Claro que os tempos mudaram… a dinâmica familiar não permite mais que façamos absolutamente tudo da festa para controlar a qualidade do que se põe na mesa.

Existem hoje alguns profissionais inovando nesta área de buffet infantil, e tenho gostado muito da idéia… E aí aproveito também para deixar a minha dica:

inspiraçao
Imagem do Site: dicasdamaedipa.blogspot.com

– Procure versões integrais de salgados.

– Ofereça opções mais naturais (faça o nugget com frango de verdade e com ervas naturais), suco de fruta natural ou de uva integral.

milho

– Prefira salgados assados pois contêm menos calorias e são mais saudáveis (esfihas, pastel assado, folhados e pão de queijo).

– Por que não oferecer sanduíches naturais? São deliciosos, nutrem e sustentam bem mais do que os doces!

sanduiches
Imagem do site copegourmet.blogspot.com

– Frutas (espetinhos de fruta ou até mesmo formatos diferentes e divertidos da fruta tem mais apelo visual).

melancia

bananas
Imagem do site: www.macetesdemae.com

– Iogurtes ao invés de refrigerantes.

– E água, muita água para matar a sede!!

Sei que há receio de que haja pouca aceitação das crianças, porém entupí-las de açúcar, gordura, corantes, aditivos é um problema a ser encarado no futuro… É sabido que crianças tem um comportamento espelho e quando convivem com mais crianças numa festa, tendem a aceitar mais o alimento oferecido. Encorajá-las só trará benefícios.

Vamos aproveitar o momento de festa para oferecer coisas gostosas e saudáveis… e se você acredita que para ser gostoso não dá pra ser saudável, talvez a mudança tem de começar pela sua cabeça!

Nutricionista Karen Dykstra Carmona

Uma sociedade inflamada!

pessoas

Quando vou ao supermercado e vejo carrinhos e mais carrinhos cheios de produtos (alimentícios), coloquei entre parênteses porque aqui coloco uma pergunta que não quer calar….as pessoas estão realmente informadas sobre os produtos que estão comprando? Pois saiba que tem produtos que chegam ao prato que foram feitos para vender e não para comer!! Bem…pode comer uma vez ou outra….se não tiver naquele momento outra opção.

Penso que escolhas alimentares muitas vezes são condicionadas pela publicidade, as pessoas não são ensinadas a ESCOLHER!! Vou dar um exemplo: tem algum anúncio na TV, jornais e revistas onde as pessoas são ensinadas a consumir frutas in natura, como laranja, maçã, morango…? Geralmente não, o anúncio na TV ou em revistas, mostram como pessoas podem ficar muito saudáveis consumindo o sumo das frutas (suco em pacote longa vida por ex.), mas se alguém ler os rótulos das embalagens vão constatar que contém muito açúcar, frutose, acidificantes, etc., e o mais importante não tem… que é a “fruta”!!

supermercado

 

Os alimentos industrializados são bem práticos, pois já vêm prontos ou semi-prontos. O único trabalho é abrir a embalagem, e mesmo as embalagens estão cada vez mais fáceis de abrir. Além da praticidade, os alimentos industrializados também possuem um prazo de validade bem maior do que os produtos “in natura”, tornando fácil o armazenamento. Mas pra que esse alimento dure mais, é adicionado milhares de aditivos químicos, como conservantes, corantes e adoçantes, que, na grande maioria das vezes, não faz bem à saúde (leia mais sobre isso no nosso post Campanha contra aditivos), podendo causar desnutrição em nutrientes fundamentais e sem falar na alta ingestão de calorias vazias. O nosso organismo não consegue lidar com essas cargas tóxicas, dando um efeito rebote que é a inflamação!!

Estamos cada vez mais inflamados… origem da maior parte das doenças endócrinas, metabólicas, autoimunes, degenerativas e alérgicas. As novas epidemias devem-se sobre tudo aos estilos de vida e à alimentação que fazemos.

É muito triste, pois minha preocupação maior é com a geração dos nossos filhos, que terá uma expectativa de vida reduzida por causa dos estilos de vida e da alimentação. Mas podemos mudar isso!! É preciso informar, ensinar e consciencializar a população.

piramide

*Lembrando que “O alimento é a condição única e essencial para a manutenção, serve para: nutrir, saciar a fome e é o combustível para todas as atividades do corpo humano”.

As pessoas não estão abertas para variedade alimentar, elas comem quase sempre o mesmo!!! O nosso organismo é formada por trilhões de células e cada célula precisa de muitos nutrientes diferentes para o bom funcionamento…então o que vamos comer???

Imagem do site: www.mundoboaforma.com.br
Imagem do site: www.mundoboaforma.com.br

Vamos voltar ao carrinho do supermercado….

Temos centenas de alimentos à escolha, mas precisamos de tanta coisa?

O que precisamos é de maior diversidade de alimentos. Os produtos que vemos nas prateleiras, são provenientes de quatro ou cinco alimentos: Cereais, lácteos, açúcares e gorduras.

Quanto aos cereais, escolha os que são mais complexos, como os integrais, sem adição de açúcar. Evite comprar muitos doces… como são muito coloridos pense em quanto corante tem…

Os produtos lácteos saiba qual escolher, ou melhor… faça seu iogurte em casa, leia sobre isso no post sobre Bebida láctea X Iogurte X Iogurte grego.

A quantidade de legumes, frutas, oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas…), já pensou na variedade de saladas que se pode fazer e regado com azeite de oliva?

Também pode se congelar muito bem os alimentos sem perder os nutrientes, veja nosso post sobre branqueamento de alimentos, então a desculpa de comer somente alface e tomate como salada não cola!!

Quanto as carnes, peixes não há necessidade de grandes quantidades diárias, melhor ter a qualidade; mais peixe (incluindo cavala e sardinhas, frescas ou em conserva de azeite) e ovos (podem ser consumidos três ou quatro por semana) são opções muito boas.

Arroz (parboilizado), leguminosas, batatas….refrigerante, suco de caixinha ops esses nããooo! Vamos trocar o refri e o suco de caixinha por água ou por suco natural.

Quanto aos temperos, de preferência aos naturais (salsinha, cebolinha, cebola, pimenta, cúrcuma….), os temperos industrializados tem muito aditivos, corantes, etc. e assim penso que já está mais fácil de fazer suas compras não é?

**Dica: Antes de ir ao supermercado devemos fazer uma lista de compras. E antes de comprar certos produtos alimentares é obrigatório perguntar: “Preciso mesmo disto? Vou ficar mais forte, inteligente? Tem mais nutrientes?

Ocasionalmente, podemos comprar tais alimentos que não comportam nenhum valor nutricional, mas que agradam ao paladar, mas isso é num dia de festa.

Autora: Iolande Aardoom

MÉTODOS DE COCÇÃO

Em dia de panelaço (15/03/2015) o assunto no blog vai ser sobre o melhor método de preparo dos alimentos. Para saber mais sobre qual panela é a mais indicada, clique aqui!

1 – ALIMENTOS CRUS – é o melhor maneira de se beneficiar de todos os nutrientes disponíveis dos legumes, verduras, frutas, oleaginosas e sementes. São fontes importantes de fibras, favorecendo o trânsito intestinal e eliminação de toxinas.

2 – VAPOR – é a melhor maneira de preservar seus nutrientes. Numa panela de base adicione um pouco de água e coloque a comida (peixe, legumes) em cima da cesta acima da água fervente (existem panelas especiais para esta técnica de preparo). O vapor vai cozinhar a comida em poucos minutos. Brócolis, couve flor, cenoura e vagem por serem mais densos necessitam em média 5 minutos ou mais. Já as folhas como espinafre, necessitam de apenas 1 minuto.

Imagem do site: www.clickgratis.com.br

O ideal é cozinhar os legumes al dente, no vapor, para reter as cores vivas, as fibras e os nutrientes.

Para cozinhar o peixe, é necessário cerca de 10 minutos, e o processo preserva as gorduras “boas”que a maioria dos peixes contem, bem como as vitaminas B solúveis em água.

DICA: para intensificar o sabor e a fragrância de peixes cozidos no vapor coloque na água – gengibre, suco de limão ou ervas aromáticas.

3 – FERVURA – é o modo mais eficiente de deixar os alimentos sem gosto, sem vida e com poucos nutrientes.

Lembre-se de que ferver legumes destrói aproximadamente 40% das vitaminas B e 70% da vitamina C.

Atenção: Quanto maior a quantidade de água na panela, maior a perda de nutrientes!! A perda de nutrientes é ainda maior se os legumes forem cortados em pedaços pequenos.

Se precisar ferver algum alimento, faça isso pelo menor tempo possível, usando apenas pequena quantidade de água para preservar ao máximo os seus nutrientes.

4 – FRITURA – a fritura torna os alimentos mais apetitosos e atrativos, so que potencialmente prejudiciais. Mesmo que o alimento seja frito rapidamente, o calor excessivo destrói os nutrientes e os óleos sensíveis como o dos peixes oleosos.

O óleo quando aquecido gera grande quantidade de radicais livres que são muito prejudiciais ao corpo, podendo causar o câncer, doença cardíaca e envelhecimento prematuro. Leia mais no nosso post “FRITURAS: Saiba mais”.

Sabe-se que tostar os alimentos por fritura, ou pior, deixá-los queimar um pouquinho, tem efeito carcinogênico. Até mesmo a fumaça da fritura pode ser perigosa (pode provocar câncer de pulmão ou na garganta).

As vitaminas solúveis em água (B ou C) e gordura (D, A, K e E) se perdem quando fritamos os alimentos. Ao fritarmos carnes e aves, reduzimos em até 30% a vitamina B nelas contida.

5 – REFOGAR – é uma alternativa mais saudável do que fritar os alimentos. Por utilizar óleo, mesmo que em menor quantidade, alguns nutrientes se perdem e as gorduras são quimicamente modificadas. Se o cozimento for rápido, o prejuízo é menor.

6 – MICROONDAS – as micro-ondas fazem as moléculas dos alimentos vibrarem, sendo que essa agitação gera o calor que cozinha os alimentos. Essas micro-ondas saem das paredes do forno e entram na comida. A concentração de nutrientes dos alimentos se mantém razoavelmente alta após o aquecimento no aparelho, provavelmente por causa do curto tempo de cozimento.

7 – COCÇÃO EM FOGO BRANDO – é um processo mais lento. Geralmente é utilizado para fazer ensopados e sopas. Cozinhar em fogo brando garante que além do alimento, o seu caldo também seja consumido, aproveitando os nutrientes transferidos para o líquido.

Sua vantagem é o cozimento lento, geralmente a temperaturas inferiores ao ponto de ebulição. Como a perda de nutrientes e minerais aumenta com a temperatura, esse método não afeta tanto os nutrientes.  Além disso, torna as proteínas mais fáceis de serem digeridas.

8 – ASSAR – o teor de gordura dos alimentos quase não sofre alteração, desde que o forno não esteja quente demais. Mas atenção, quando a gordura se queima, ela se torna carcinogênica!

Algumas vitaminas solúveis em água (C e B) se perdem nesse processo. Quanto maior o tempo de forno, maior é a perda de vitaminas. O mesmo vale para a temperatura – quanto mais alta, menor a concentração de nutrientes.

9 – CHURRASCO – Tostar ligeiramente as carnes torna-as carcinogênicas – ao entrar em contato com a garganta e o trato digestório, prejudica as células, aumentando os radicais livres.

Não permita que a chama entre em contato direto com a carne. Dê preferencia por assar a carne somente sobre a brasa, em cortes finos que não precisem muito tempo em contato com o calor e assem bem por dentro!

Então, se forem sair hoje a tarde para protestar… usem a fritadeira rsrs! Essa é a mais descartável na sua cozinha!!!

Autora: Karen Dykstra Carmona

Referência:

EDGSON, V.; MARBER, I. Doutor alimento – Guia prático de nutrição para a família. São Paulo: Alaúde Editorial, 2012.

Papinha de Salmão, Cenoura e Ervilha com Queijo (dos 9 a 12 meses)

papa de peixe

Ingredientes:

150ml de caldo de legumes (não industrializado) ou água

1/2 batata descascada em cubinhos

1 cenoura descascada em cubinhos

115 g de filé de salmão sem pele e cortado em cubos de 1 cm

2 colheres de sopa de ervilha fresca congelada

30g de mussarela ralada

1 a 2 colheres de sopa de leite (materno ou fórmula infantil)

Modo de preparo:

Leve o caldo com a batata  e a cenoura para ferver. Abaixe o fogo, tampe e cozinhe por uns 6 minutos ou até os legumes amolecerem.

Junte o salmão e as ervilhas. Tampe novamente e cozinhe por mais 3-4 minutos, até que o salmão comece a soltar lascas.

Coloque o cozido em uma tigela e incorpore a mussarela ralada. Amasse com um garfo, até a consistência desejada. Se necessario, acrescente o leite.

Esfrie o quanto antes, cubra e leve a geladeira. Se preferir, congele em porções individuais. Para usar, descongele durante a noite na geladeira, então aqueça até ficar bem quente. Mexa bem e deixe amornar antes de servir.

Receita de purê de peixe, batata doce e brócolis (a partir dos 9 a 12 meses)

Ingredientes:

1/2 batata doce descascada em cubinhos

2 floretes de brocolis cortado

115g de filé de pescada branca em tirinhas

4 colheres de sopa de leite

20g de mussarela ralada

Modo de preparo:

Espalhe os cubinhos de batata doce e os brócoflis numa panela a vapor. Deixe cozer por 6-8 minutos, até estarem macios.

Enquanto isso, coloque o peixe em uma panela pequena, cubra com o leite e cozinhe por 2 minutos, até desmanchar. Retire do fogo e incorpore a mussarela até derreter e triture com um mixer ou processador de alimentos. Se necessário, junte mais leite.

Resfrie o quanto antes. Antes de servir, aqueça muito bem.

Receita do livro: O livro essencial da alimentação infantil.

Papinha de peixe com legumes (a partir de 6 meses)

INGREDIENTES

1 colher de sopa de óleo de girassol

50 g de filé de peixe (atenção para os espinhos)

1 colher de chá de cebola picada

 1 batata pequena em fatias finas

1/2 chuchu

1 colher de sopa de couve picada

1 copo americano de água

1 pequena pitada de sal

Modo de Preparo

Em uma panela aqueça o óleo para refogar a cebola e o peixe. Acrescentar os demais ingredientes. Cobrir com água. Tampar e cozinhar em fogo médio até que os ingredientes fiquem macios e com pouco caldo. Amassar com o garfo e servir em seguida!

Observação: consumir em até 24 horas.

Receita adaptada do site Comer para Crescer.